A cena indie que rola no Brasil é marcada por derrubar barreiras artísticas. Com talento de sobra, essa galera veste a camisa e não tem medo de abrir a mente para o caldeirão de sonoridades. Sendo assim, nada mais justo do que te aplicarmos o som de três feras que injetam essas doses libertárias na novíssima música brasileira.

1. Dois Lados – talento que vem de Minas

Talentos de Letícia e Jéssica são complementares (Foto/Divulgação)

Formado por Jéssica SenhoriniLetícia Damaris, o Dois Lados é um dos nomes mais talentosos da cena independente mineira. A dupla faz um um indie temperado com mpb, pop, rock e reggae. No geral, as letras são existenciais e enxergam o amor sob uma ótima reflexiva. O resultado é um som leve, instigante e reconfortante.

Surgido em 2015, o Dois Lados já lançou os EPs “Falando de amor e…” (2017) e “Metamorfose” (2018). Além da questão autoral, os trabalhos têm como destaque o ótimo gosto para webclipes.

2. Mágico de Nós – a magia do existencialismo

 

Tiago Rocha é a mente que conduz o Mágico de Nós (Foto/Divulgação)

Liderado por Tiago Rocha, o projeto Mágico de Nós surgiu em Belém do Pará, no ano de 2017. A proposta musical é uma jornada de autodescoberta e desenvolvimento pessoal para Tiago. As experiências que o compositor vive durante essa jornada são convertidas em versos, falas e poesias, com o propósito de compartilhar suas ideias com outras pessoas. O som é amplamente influenciado por MPB e sutis pitadas de folk.

O primeiro EP, o ótimo “Sonhos Lúcidos” foi lançado em 2018. Atualmente o projeto é composto em parceria com Bárbara Lobato, que participa dando vida aos arranjos de guitarra.

3. DNSM – minimalismo tecnológico

Quarteto faz um indie simplista e eletrônico (Foto/Divulgação)

Formada por JJ ZEn (voz), Deh (voz), Pedro Rocha (guitarra) e Hypernoise (programações), a banda DNSM surgiu na cidade de São Paulo, em 2018. De maneira ousada, quarteto faz um indie fortemente influenciado por Chemical Brothers, Depeche Mode, Secos e Molhados e Mutantes. Por suas vezes, as letras vão direto ao ponto e são o melhor antídoto contra a alienação.

Com três ótimas músicas, o EP de estreia da DNSM foi lançado no ano passado. Batizado “O Sistema”, o trabalho é um convite à reflexão acerca dos sistemas que nós mesmos nos impomos.

Se você curtiu a variedade sonora dos artistas que fortalecem a cena indie na novíssima música brasileira, se ligue nas playlists que preparamos com todo cuidado do mundo para seus ouvidos. Tem representantes do “Indie Brasil”,
você também pode cair na “Festa Indie” e, por fim, curtir o melhor do “Indie Para Relaxar”!