Foi-se o tempo em que gravações caseiras era sinônimos de amadorismo. Com o avanço tecnológico, o músico contemporâneo consegue gravar um disco inteiro sem sair de casa. Ter um home studio, no entanto, requer alguns custos e altas doses de know how. Pensando nestas duas máximas, listamos três superdicas para que você tenha melhores resultados com suas produções.

1. Gravando a Voz

A gravação do vocais é um dos momentos mais minuciosos do trabalho! Para colher os melhores resultados, você pode adotar um sem-número de medidas. Por aqui, nós listamos três gestos que te ajudarão a tirar um melhor proveito do registro da voz.

  1. Durante a gravação, muitos vocalistas gostam de deixar uma orelha para fora do fone. Se você desligar o canal não utilizado, certamente vai reduzir o vazamento no microfone.
  2. Ao gravar vocais com grande variação de dinâmica, experimente colocar um segundo microfone uns 60 cm afastado do vocalista. Desta forma, quando ele cantar muito alto, você poderá usar essa track.
  3. Use um pop filter em frente do microfone do vocalista. Com esse acessório,  você pode controlar com mais precisão a distância mínima entre o cantor e o microfone.
2. Invista em equipamentos

Equipar o seu estúdio caseiro é um investimento. Jamais encare isso como gasto, amigo leitor! Sabemos que os custos são altos, mas a qualidade de suas gravações é um retorno que vale a pena. Se ligue nos “brinquedinhos” básicos, bons e baratos que você pode comprar para melhorar suas produções:

  1. Tenha um pré-amplificador: plugar a guitarra ou o microfone direto na interface pode resultar em um sonoridade transparente, isto é, você vai tirar um som que não tem o peso e o brilho que uma boa música precisa. Com pouco mais de R$ 200, você compra um pré-amplificador que vai suprir suas necessidades.
  2. Invista em um software de masterização: depois da gravação, o passo seguinte é a masterização. É o momento do “acabamento da faixa”, ou seja, é a hora em que serão definidos os volumes, camadas e timbres de cada instrumento. É possível contratar um engenheiro de áudio para masterizar suas músicas. Porém, os serviços podem acabar não cabendo no seu orçamento. Por isso, pense na possibilidade de comprar um software de masterização e você mesmo cuidar do procedimento. Em média, um programa bacana custa R$ 600.
3. Tentativa e erro

Segundo Renato Russo, “um disco é pra sempre”, ou seja, música gravada é igual pedra atirada, isto é, não tem como voltar atrás. Por isso, faça de suas gravações um “laboratório”. Para tirar melhor proveito de suas experiências, você deve:

  1. Ensaie bastante antes de gravar: mesmo que suas gravações sejam feitas em home studio, os ensaios são 100% fundamentais. Além de melhorar o entrosamento e a camaradagem entre os músicos, o ato de ensaiar serve para você testar todas as possibilidades de timbres, ritmos, melodia, arranjos e até disposição da letra da música. Pra que definir as coisas segundos depois de ouvir “gravando”, a palavrinha mágica que é toca o terror em muitos músicos?
  2. Grave bastante: procure ter pelo menos 5 takes de cada instrumento, incluindo a voz. Dessa forma, caso você tenha erros para corrigir, poderá aproveitar o mesmo pedaço que tenha saído certinho em outra tentativa de gravação. Se você precisar gravar novamente depois, pode ser que não consiga extrair o mesmo timbre da versão anterior e o resultado soará  estranho. Se assim for, somente um novo take inteiro corrigirá o problema.
P.S.:

Já que o papo aqui envolve assuntos de carreira, nós temos algo mais para te ajudar! Confira os links abaixo e não se arrependerá!