Produzir vídeos com telefone celular faz parte da rotina de um artista do cenário da música autoral. Acontece, no entanto, que um vídeo legal pode ficar ainda melhor!

Nesta conversa de hoje, vou te passar 3 dicas rápidas para melhorar a qualidade do material que você faz aí com o seu smartphone. Vamos lá?

1. Iluminação

A lógica é simples: usar uma iluminação de qualidade = ter uma imagem de qualidade.

As câmeras do celular, assim como as profissionais, são equipadas com um sensor que tem a função de transformar o assunto/objeto que você está filmando em uma imagem, tudo pela captação da luz.

Quanto maior for o sensor, mais luz ele capta. A entrada dessa luz é controlada por uma abertura, o diafragma. Definido pela letra “f”, o diafragma sempre estará acompanhado de um número. Quanto menor esse número for, maior será a abertura.

Tipos de iluminação

Se tiver maneiras de aproveitar a luz natural, ótimo! O cuidado aqui é na posição que você e sua banda ficarão em relação à luz. Dito isso, o conselho é: a luz deve ficar de frente para quem está sendo filmado. Se ela ficar atrás do assunto do vídeo (e de frente para a lente da câmera), a pessoa ficará escura.

Mão de mulher grava pessoas em cima de um elefante

Aproveitar a luz natural é uma ótima pedida para ter uma boa iluminação (Foto/Pexels)

Se não houver a possibilidade de gravar durante o dia (seja por falta de local adequado ou por ter apenas a noite como opção disponível), há duas soluções que cabem no seu bolso:

  • luzes de led: que podem ser encontradas por preços bastante acessíveis
  • refletor colortran: disponível em 500 ou 1000 watts, dependendo do tamanho cenário. É vendido em lojas de luminárias ou nos depósitos de materiais de construções

Seja lá qual for a luz escolhida, tome cuidado para ela não entrar em contato direto com a câmera do seu telefone. Procure direcionar o refletor para a parede! Nessa posição, a luz volta difusa e proporciona uma iluminação mais agradável, além de não influenciar na resolução da câmera.

2. Áudio

Para ter um som de qualidade top, o ideal é ter um gravador para captar o áudio. Na falta de grana para viabilizar esse recurso, no entanto, o seu smartphone pode fazer esse papel de maneira bem satisfatória.

O microfone do próprio aparelho, sobretudo se mais moderno, pode te entregar uma qualidade relativamente esperada. O grande problema está na questão dos ruídos externos, que interfere no resultado final. Para ficar livre desse pesadelo, a tecnologia coloca á disposição alguns microfones específicos.

Veja abaixo uma explicação sobre os padrões mais comuns:

  • omnidirecional: capta tudo em volta do microfone
  • bidirecional: capta frente e trás
  • direcional: capta apenas frente, dependendo o modelo

Esses três padrões podem estar em um mesmo modelo, por isso, é bom pesquisar antes de fazer sua escolha. Um fator que pode te ajudar na sua seleção é o modo de fonte de alimentação do mic: condensador (precisa de pilha ou bateria) ou dinâmico (não precisa de pilha ou bateria).

Agora, confira os modelos de microfone mais comuns:

Microfone de Lapela

O microfone de lapela é uma boa opção para vídeos, principalmente por estar perto da boca, o que diminui os ruídos externos. Estão disponíveis nos padrões dinâmico e condensador.

Caso você as utilize em lugares externos, coloque-as por debaixo da roupa. Além de não aparecer na imagem, também abafa alguns ruídos.

Shotgun

Também chamados de boom, muitos são plugados diretamente na câmera ou no smartphone. É indicado para ambientes fechados. Apesar de direcional, ele não é capaz de eliminar 100% dos ruídos oriundos dos lados e detrás.

Usar o microfone do celular

Se não tiver como descolar um microfone, você pode usar o fone de ouvido com microfone. Outra opção é gravar bem próximo do seu celular, pois esses equipamentos já contam com um microfone embutidos.

Fã usa telefone celular para grava vídeo em show

Gravar um show com o microfone do celular não é ideal, pois o aparelho capta o som ao redor (Foto/PExels)

Essa captação de áudio, no entanto, não é a mais indicada gravar sons muito distantes. E como a iluminação interfere na imagem, a acústico do local pode atrapalhar a qualidade sonora. O principal problema é o eco, que acontece quando som bate na parede e volta. Por isso, quanto mais vazio for o local, maior será o eco.

Uma boa opção para solucionar esse problema é tentar fazer um tratamento acústico, com placas de sonex. Se não tiver jeito, tente “forrar” o ambiente com edredom e colchão, evitando assim que a som bata na parede e volte. Neste caso, use sua imaginação para disfarçar os forros que você colocar na parede, pois, o cenário não pode ficar feio 😉

3. Cenário

Não é possível estabelecer regras ou padrões para o cenário, mas é importante pensar em um fundo que faça sentido para a sua banda ou carreira. Se você é um artista de música sertaneja, por exemplo, não faz muito sentido gravar na garagem de sua casa e com algumas motos fazendo parte do cenário.

Banda de rock ensaiando em um home studio

Cenário bem armado e, de quebra, com um sutil tratamento acústico (Foto/Pexels)

E fique ligado nas questões fotográficas do vídeo, como enquadramento, foco e profundidade. Os dois primeiros, você consegue regular nas configurações de câmera do seu celular. Já a profundidade, é fundamental ficar o mais longe possível da parede de fundo.

Mais dicas para sua carreira artística

E já que o papo aqui é sobre dicas de carreira, não deixe de dar uma conferida nos outros posts da coluna Dicas de Carreira. Se liga só no naipe do conteúdo:

E não se esqueça de compartilhar o link deste post nas suas redes sociais e grupos de WhatsApp voltados para carreira artística 🎼