A foto acima, meu amigo e minha amiga, representa a determinação que um artista deve ter para fazer música, independente de qualquer crise. Desde que os devidos cuidados sejam tomados, nada pode impedir as atividades de uma banda. Falando nisso, já lavou suas mãos hoje? Ah! Se sair de casa, não deixe de usar a máscara de proteção, combinado?

Voltando ao tema de vida artística, mas sem deixar de lado a atual realidade imposta pelo Covid-19, a quarentena não é barreiras para que você e seu amigo de estrada tão chegado produzam em parceria. Continue por aqui e aproveite as 5 dicas para fazer um feat. durante o distanciamento social.

1. Ensaiem bem música

Parece óbvio, mas esse fundamento não pode ser esquecido. Muita gente comete o erro de pensar que é só apertar “rec” e fazer o som. O improviso funciona, mas não é sempre. Definam quem canta qual parte, ensaiem bem e façam o som com garra e empenho.

2. Definam e toquem no mesmo BPM

Se a gravação for presencial ou à distância, vocês devem tocar no mesmo tempo. Não estou falando de “gravar na mesma hora”, mas sobre “tocar ao mesmo tempo”.

Logo, decidir o BPM [batidas por minuto] da música é importantíssimo. É aí que entra em cena um equipamento chamado metrônomo. Para te ajudar essa com essa questão, o site Cifra Club News te explica como conseguir e usar um metrônomo gratuito.

3. Como gravar as vozes e o instrumental?

Importante: o amadorismo não é heroico. Pense que música gravada e divulgada, fica para sempre! Não grave nada que possa te causar arrependimentos. Uma canção bem gravadinha e produzida, certamente envelhecerá bem.

Gravando os vocais

Para gravar as vozes, é fundamental que usem um equipamento dedicado, ou um microfone USB. Com relação à qualidade, atualmente os recursos de entrada são bem próximos dos recursos profissionais [que custam os olhos da cara!].

Cantor grava a voz e é filmado

Um microfone decente para gravar a voz é um detalhe técnico de total importância (Foto/Pexels)

Um microfone de 300 reais plugado num mix vai soar bem próximo de como soa um microfone de 40 mil reais. É quase impossível ouvir e distinguir a diferença. Logo, não há motivos para você gravar com os fones de ouvido de seu smartphone… e o seu parceiro usar um microfone profissional.

Ah! E lembre-se: a mixagem e a masterização são fundamentais para que a música soe bem aos ouvidos. Mas se a gravação for amadora, não há truques de estúdio que operem milagres.

Gravando o instrumental

Não é profissional usar o som captado pela câmera do celular, mas também não precisa usar o equipamento do lendário estúdio Abbey Road!

As interfaces de gravação possuem uma ótima qualidade de áudio. Para gravar guitarra ou baixo, por exemplo, é importante usar bons cabos e um instrumento bem regulado. O mercado oferece boas opções e que, com uma economia aqui e outra ali, cabem no seu bolso. Pense nisso como uma questão de investimento!

Baerista prepara a ateria para uma sessão de gravações

Gravar bateria acústica em casa pode ser um dificultador (Foto/Pexels)

Para gravar a batera, experimente usar o recurso midi. Essa ferramente serve para “carregar” sons de bateria de altíssima qualidade no computador. Se for bateria acústica, será necessário um kit de microfones, uma interface de áudio com pelo menos 8 canais, peles novas e afinação impecável. Se for bateria eletrônica, o procedimento é o mesmo para gravar instrumentos de cordas.

4. Atenção com os padrões da câmera

Depois que já gravaram tudo, chegou a hora de fazer um vídeo do feat.! Afinal de contas, o audiovisual é um dos melhores meios de divulgação.

Camera grava performance de violinista e guitarrista

A captação de imagens bem feita tende a facilitar o trabalho de quem fizer a edição do vídeo (Foto/Pexels)

Não é preciso que você e seu companheiro de feat. usem os mesmos equipamentos, mas para que o vídeo não fique confuso, feio, poluído e pouco funcional, é fundamental seguir os padrões abaixo:

  • distância da câmera: o plano cinematográfico precisa estar em harmonia, ou seja, você aparecer muito próximo e seu colega lá longe, não é recomendável
  • orientação da câmera: os smartphones ou as câmeras devem estar na mesma posição, ou seja, ou é tudo na vertical ou é tudo na horizontal
  • cuidados com a edição: na hora de editar os vídeos, esteja certo que as performances estão em sincronia. Você aparecer cantando, quando, na verdade, quem canta é o seu colega, pode fazer com que “chova dislikes” no vídeo. Afinal de contas, a sensação de “dublagem amadora” nunca rende boas ações no público.  

Em um texto recente, te falei tudo sobre planos e enquadramentos. Antes de partir para gravar o vídeo, é interessante que os envolvidos na gravação se liguem nessas dicas aqui.

Ainda sobre o “dislike”, vale a reflexão: o “não curtir” é a vaia da era digital.

5. Divulgação correta

Não adianta subir o vídeo no YouTube, publicar o áudio no Palco MP3 e esperar que a música viralize. Ficar “deitado eternamente em berço esplêndido”, meu amigo e minha amiga, soa poético apenas no Hino Nacional Brasileiro.

O feat. é uma questão que une dois artistas, dois públicos. Logo, tende a promover enganjento maior, conecta mais pessoas em torno de um mesmo assunto.

Telefone e computador em cima de uma mesa em home office

Seu telefone reúne importantes ferramentas de divulgação (Foto/Pexels)

Muito mais do que fazer um som com um amigo de estrada e mostrar trabalho para gente diferente, essa parceria promove intercâmbios de sonoridades. Nesse texto sobre as vantagens de fazer um feat., você confere discas de como tirar proveito desse rolê.

Dito isso, use as boas práticas de divulgação para mostrar a música ao mundo! Com a regra do 4x4x4, por exemplo, você consegue aumentar a visibilidade do post de maneira surpreendente. De acordo com especialistas, essa metodologia consiste em compartilhar o conteúdo pelo menos 4 vezes nas redes sociais, em dias, horários e com chamadas diferentes. Não descarte posts patrocinados, bem como divulgação nos grupos de WhatsApp.

Importante: os artistas envolvidos devem ser marcados em todos os posts relacionados à música divulgada.

Mais dicas para suas produções de vídeo

E já que o papo aqui é sobre dicas de produção de vídeo, não deixe de dar uma conferida nos outros posts da coluna Dicas de Carreira. Se liga só no naipe do conteúdo:

E não se esqueça de compartilhar o link deste post nas suas redes sociais e grupos de WhatsApp voltados para carreira artística 🎼