O assunto “transmissões ao vivo no Facebook” não sai da boca – ou das telas de smartphones, tablets e computadores – dos envolvidos na cadeia do mercado fonográfico. Segundo o burburinho que tem rolado por aí, a rede social mais popular do mundo vai promover mudanças radicais nas publicações de conteúdos audiovisuais – incluindo as lives. Batizada “experiência de escuta musical”, a tal revolução já tem data para começar: 1º de outubro de 2020.

Ok, mas e aí? Até que ponto essas novas diretrizes afetarão o produto final, ou seja, o que será das lives nossas de cada dia?

No texto de hoje, vamos esclarecer essa polêmica. Te conto tudo sobre esse tema que tem tirado o sono de muito artista, sobretudo os independentes, que precisam muito da visibilidade que o meio digital oferece. Para facilitar o entendimento, nossa conversa assume o formato “perguntas x respostas” 😉

Bora ficar por dentro disso tudo?

O que é “experiência de escuta musical”?

Esse tema é bem menos novo do que parece! Na real, esse conceito começou a ser trabalhado há cerca de dois anos. A dita “experiência de escuta musical” é o Facebook declarando que não quer fazer papel de plataforma de streaming, como Spotify ou YouTube Music, que são ambientes para a gente deixar a música rolando e ir fazer outras coisas.

A intenção dos comandados de Mark Zuckerberg é fazer com que os usuários se envolvam ativamente, assistindo, comentando e compartilhando o conteúdo.

“Experiência de escuta musical” é sinônimo de transmissão ao vivo?

Não, não é. O Facebook enxerga as lives como um evento social interativo que faz parte da “experiência de escuta musical”.

A ideia é que o artista crie conteúdo para o público desfrutar e interagir na plataforma. Nesse contexto, além das transmissões ao vivo, você pode pensar nos vídeos e clipes de suas músicas.

Usuário do Facebook observa seu perfil na tela de um smartphone

A “experiência de escuta musical” vai derrubar ou bloquear lives?

Se você fizer uma apresentação tocando e cantando suas próprias músicas, não se preocupe, o seu show vai continuar! O Facebook esclarece, com todas as letras, que só não quer que você use material protegido por direitos autorais, ou seja, não toque músicas de terceiros nas suas lives.

Ainda sobre o sistema de direitos autorais do Facebook

É importante ficar atento num fato em especial: a política de direitos autorais do Facebook é diferente do sistema Content ID do YouTube. E é essa diferença que causa confusão na cabeça dos artistas.

A regra é bem clara: se um artista fizer uma live e usar música gravada das quais não detiver os direitos, a transmissão poderá ser retirada do Facebook.

Músico sendo filmado, na praia, enquanto toca violão

Importante: essa determinação é implacável até mesmo com os DJs que usaram samples e músicas de forma desautorizada.

“O que não posso fazer nos vídeos que subir pro Facebook?”

Para que proporcionar uma “experiência de escuta musical” de qualidade aos seus fãs, você precisa seguir algumas boas condutas. Se liga só:

  • Não é permitido publicar um vídeo com faixa de arte da sua música [nem pense em subir material com a imagem da arte do álbum com música tocando].
  • É proibido publicar um vídeo com uma imagem estática [a foto de sua banda, por exemplo] e música tocando.
  • O seu vídeo PRECISA ter movimento visual! Pode ser o clipe oficial ou até mesmo um vídeo de uma performance ao vivo da música.
  • Vídeo com movimento visual não é uma seleção de diversos vídeos musicais [mesmo que tenham movimento] em sequência
  • Não é permitido iniciar uma transmissão ao vivo no Facebook e transmitir somente o áudio. A experiência de playlist, deixa pro Palco MP3 e para as demais plataformas de streaming.

Nota mental: o Facebook Live não tem objetivo de ser plataforma de streaming, ou seja, não é uma ferramenta para audição passiva. O Face é uma rede social e não pretende exercer papel diferente.

“E como fica a minha live no Facebook?”

A “experiência de escuta musical” chega para favorecer suas transmissões ao vivo, desde que seja para tocar suas músicas para os fãs.

O Facebook tem lançado novas ferramentas para tornar os shows transmitidos ao vivo em um serviço mais benéfico para os artistas. Com o Facebook Stars, por exemplo, a galera pode enviar graninha durante as lives.

Rolaram upgrades na seção de comentários, que agora estão mais divertidas e interativas.

Nota da redação: o texto acima foi escrito com base em pesquisas e em um artigo publicado no blog Somos Música.

Mais dicas para suas lives

Já que o nosso papo de hoje foi sobre conteúdo audiovisual no Facebook, não deixe de dar uma conferida nos outros posts da coluna Dicas de Carreira. Se liga só nos posts que te ajudarão a melhorar as suas lives:

E não se esqueça de compartilhar o link deste post nas suas redes sociais e grupos de WhatsApp voltados para carreira artística 🎼