Seja lá qual for a década, a música brasileira sempre será um celeiro de talentos. Felizmente, a nossa cultura nos dá artistas que fazem a perfeita conexão entre música e alma.

Nesse contexto, as nossas cantoras fazem a diferença! Por isso, o texto de hoje é todo delas: as mulheres que estão fazendo a diferença no cenário independente da MBP. Eu gostaria de citar todas, mas um post não é suficiente. Sendo assim, selecionei três artistas que simbolizam a representatividade feminina no cenário.

Ajuste seus fones de ouvido por aí e aproveite o seu garimpo musical, amigo leitor!

Cátia Machado

Cátia Machado lança o EP Agora Sim

Cátia Machado (Divulgação)

Diretamente de Bauru (SP), a cantora e compositora Cátia Machado é sinônimo de versatilidade. Sua inconfundível voz passeia por ritmos nordestinos, passa pelo samba, resgata um pouco da bossa nova e flerta com o pop rock adulto.

E o melhor de tudo? Ela interpreta todos esses sons com muita competência.

Em 2019 Cátia lançou o disco Agora Sim, que é a história dela compartilhada com todas as suas companheiras. As canções são sentidas e vividas no gênero feminino, sempre buscando dar voz e respeito às mulheres. Se o trabalho dessa artista tão singular não for sinônimo de empoderamento, nada mais pode ser.

Joana Bentes

A cantora Joana Bentes é força feminina na música independente

Joana Bentes (Divulgação)

Ela é natural de Vitória (ES), passou por Brasília (DF) e atualmente está radicada em Belo Horizonte (MG). Parafraseando Lô Borges, Joana Bentes é do mundo, é Minas Gerais.

Em maio de 2019 ela lançou O Mal Vai Morrer de Alegria. A composição de 2016, revisitada em 2019, ganhou adaptações na letra e produção musical da própria artista. Nesse cenário, Joana convida 13 artistas/amigos, de quatro cidades brasileiras e, em seu home studio dá vida a um coro que diz: “[o mal] vai se por na poesia / vai viver de nostalgia / vai morrer de alegria”.Além desse novo trabalho, Joana já lançou o single Aqui e o EP Entre.

Um dos pontos mais positivos de seu trabalho é a capacidade de promover o diálogo da música brasileira com os mais variados tipos de música. O arranjo da ótima canção Chuva, por exemplo, remete ao som da clássica banda Supertramp.

Lizandra

Lizandra é expoente da nova música mineira

Lizandra (Foto/Gabriel CZ)

Natural de Patos de Minas (MG), Lizandra é uma cantora de voz suave – dessas que clareiam até o mais escuro dos dias. Outro grande talento dessa mineirinha é a sua sensibilidade para escrever canções que lidam com temáticas relacionadas à vida adulta.

Em 2019 ela lançou, com recursos conseguidos através de um financiamento coletivo, o EP Guia Prático Para Amar de Novo – Parte 1. São quatro faixas autorais, cada uma acompanhada de seu respectivo vídeo. As músicas relatam coisas simples do cotidiano e narra histórias que todo mundo sente e passa.

No segundo semestre deste ano, Lizandra lançará a Parte 2 do projeto.

E agora que você curtiu três talentos da novíssima música brasileira, amigo leitor, que tal me dar um help? Muita gente por aí gosta de fazer um garimpo musical, concorda? E é aí que você entra em ação e compartilha o link deste post com essas pessoas. Bora espalhar cultura brasileira pro mundo?