Aconteceu na cidade de Boa Esperança (MG), no último domingo (8), a 49ª edição do Festival Nacional da Canção [Fenac]. Com mais de duas mil canções inscritas, o maior festival de música do Brasil foi um sucesso estrondoso.

Leia mais: Fenac 2019: confira tudo que rolou e ouça as músicas vencedoras do maior festival de música do Brasil

E por falar em música… grande vencedora desta edição foi a magnífica Pequeno Grão de Areia, do artista mineiro Sanráh. Composta em parceria com o produtor Marcos Aranha do Brasil, a faixa já foi defendida em outros festivais. Contando com um arranjo meio romântico e meio pop rock, e letra contemplativa, essa canção reflete sobre as dores e delícias da vida adulta, conforme você confere nos versos abaixo.

Pequeno Grão De Areia

Nada há que o tempo possa apagar sem deixar as marcas no ser
Onde há saudade ao certo haverá a soma do que é você
Sua juventude, seus desejos, sua condição de pequeno grão de areia a se misturar
numa tempestade que essa vida há de se tornar, enquanto o sol se pôr ou voltar a brilhar

Tudo que faça fará em vão
Se não fizer de coração
A alma leve tende a elevar alto, onde o amor não é em vão

Seus caminhos tortos pela vida hão de se curvar diante do que é reto e não se pode deturpar
Gotas cristalinas dos teus olhos irão rolar
Quando descobrir que o que sabe é nada

Eu vi que o medo já não é maior do que estar do lado da razão
Saber cair e então se levantar pra aprender com mais essa lição

Porque a vida é feita de fé e labuta
E é tão curta que quando a gente vê
Passam os anos e a gente envelhece
Como deve ser…

Hoje o meu peito se cala e escuta
A voz do meu velho pai a me dizer
Siga o meu bom exemplo e conduta
Trabalhar, lutar e vencer!

Um pouco sobre a carreira de Sanráh

Natural de Brumadinho (MG), Sanráh é cantor, compositor e instrumentista da contemporaneidade. Sua trajetória musical começou ainda na infância, tocando violão e cantando, e seguiu em direção aos estudos de música clássica e teoria musical.

Durante dois anos atuou na banda Super Som C&A, como cantor e contra-baixista, podendo colher a experiência que só uma banda de baile de tal porte poderia proporcionar. Atualmente Sanráh, dedica-se a sua carreira solo, além de outros trabalhos com outros artistas.

Sanráh nse apresenta no Fenac 2019

Sanráh faz música do mundo e para o mundo (Foto/Facebook)

Inquieto e libertador por natureza, como todo artista que carrega autenticidade em seu DNA, Sanráh faz um trabalho recheado de influências. Suas referências passam pelo blues do Mississipi, representado por feras como John Lee Hooker, Howlin’ Wolf e Muddy Waters; comungam com a velha guarda da música brasileira popular, iconizada peles mestres Ataulfo Alves, Lupcínio Rodrigues Orlando Silva; e descansam no estilo poético musical de João Bosco, Ed Motta, Milton Nascimento, entre outros.

Com uma rápida conta, entendemos que esse mineiro maneiro representa o verdadeiro conceito de “música sem barreiras”, ou seja, ele faz um som que é universal. Trata-se de um trabalho que enobrece, fortalece e realmente representa o que há de melhor na novíssima música brasileira.