O cantor pernambucano Alex Ronaldo está com um álbum novinho em folha na praça. Batizado  “Pra Beber, Sofrer e Amar”, o disco tem 16 músicas e dá o tom festeiro que o sertanejo tende a seguir em 2019. Ao longo das faixas, Alex flerta com batidas eletrônicas, aposta em arranjos de violões bem arquitetados e mostra que sabe falar a língua da galera jovem que está pronta para as baladas.

As 16 músicas do disco  são sabores de como a vida é (Divulgação)

Ao longo do álbum, Alex mostra a segurança de um intérprete que conhece seu timbre e sabe extrair dele o seu melhor. Os arranjos são bem construídos, versáteis, mas poderiam usar um pouco menos a bateria eletrônica. Lançada em 2018, a faixa “Só Bebendo, Só de Boa” foi o primeiro single do disco. Com um teclado que remete aos grandes hits do pop dos anos 80, a música parece ter sido feita sob medida para as playlists sertanejas. A letra é relativamente curta, repete as palavras e gruda mais do que tatuagem.

A faixa “Louco” é um perfeito cruzamento do sertanejo dos anos 80, no melhor estilo João Mineiro & Marciano, com a moderna batida da sofrência. Por sua vez, a divertida “Bolsa Sofrência” traz as doses de descontração que garantem boas risadas. Já em “Jogo de Cama”, Alex canta sobre uma situação que caberia em qualquer cotidiano de um típico cidadão comum brasileiro. Como não poderia ser diferente, o coração apaixonado ganha voz no romantismo ímpar da canção “Minha Menina”.

A festa do Alex nunca decepciona (Foto/Facebook)

Outro ponto interessante do disco é a sofrência escancarada na letra dos “modão doído” “Com Saudade Não se Brinca”“Você Vai Sentir Saudade”.

Por fim, mas não menos importante: “Pra Beber, Sofrer e Amar” é um disco que serve de referência para os artistas que querem fazer a diferença na indústria do entretenimento. Com repertório bem pinçado, Alex Ronaldo mostra a versatilidade de um artista que está pronto para conversar com todos os personagens que constroem as baladas.