Fazer shows memoráveis, subir aos melhores palcos, ver e ouvir a galera cantar junto com você e saber que sua música faz diferença na vida de alguém. Tudo isso é maravilhoso, concorda? Para que tudo isso aconteça, meu amigo e minha amiga, o artista precisa – literalmente – existir no cenário. 

Como você pode imaginar, um trabalho autoral não surge de “forma espontânea”. É preciso que a banda ou cantor trabalhem com foco e dedicação em suas próprias canções. Basta fazer uma música e divulgar por aí, então? A resposta só pode se uma: não! Uma vez que sua intenção for levar sua arte a sério, o amadorismo nunca é vantagem, pense nisso 😉

Para quem faz parte da cena independente, o caminho não é fácil. Nem todo mundo tem a grana disponível para investir em um projeto, por exemplo. E é aí que entra em cena o financiamento coletivo, também conhecido como crowdfunding, uma modalidade de negócios que tem ajudado um incontável número de artistas ao redor do mundo.

No post de hoje, você fica por dentro de tudo que precisa saber esse assunto tão importante para sua carreira. Vamos lá?

O que é e como funciona o crowdfunding?

Traduzindo de forma literal, crowdfunding significa “financiamento pela multidão”. No português bem claro, estamos falando de financiamento coletivo.

Trata-se de um tipo de mecenato que une várias pessoas que se identificam com um projeto ou um sonho e resolvem colaborar com recursos financeiros para que ele se realize. Essa iniciativa é baseada na economia colaborativa e defende a ideia de que “juntos, todos podemos conquistar objetivos”.

Mão de um homem oferece Cartão de débito como forma de pagamento

No crowdfunding, você ajuda conforme o seu bolso permitir (Foto/Pexels)

O investimento, entretanto, não tem retorno lucrativo. Além da realização pessoal de ver um projeto sair do campo das ideias, o colaborador ganha recompensas pré-definidas pelo organizador. Essa contrapartida, inclusive, varia de acordo com o valor que o apoiador optar por injetar na campanha.

Na prática, funciona assim: 

Antes de prosseguir com a leitura, saiba que o exemplo abaixo é totalmente hipotético. A ideia é apenas clarear a sua visão sobre o assunto. 

  • Uma banda lança crowdfunding. O objetivo é arrecadar 12 mil reais para conseguir gravar, mixar e masterizar um disco com 7 faixas;
  • No crowdfunding são oferecidas modalidades de apadrinhamento, que vão de 10 a 1000 reais;
  • A pessoa que colaborar com 10, ganha as músicas em MP3; quem colaborar com 100, leva um CD físico e tem o nome nos agradecimentos; quem injetar 500, ganha o disco, é citado nos agradecimentos e fatura uma camisa da banda; e a cota de 1000, dá isso tudo e mais um show acústico exclusivo do artista.

Importante I: as recompensas são bancadas com a verba arrecada. Por isso, você precisa planejar bem o orçamento que pretende trabalhar.

Importante II: as cotas de colaboração podem ser limitadas, ou seja, você pode distribuir as recompensas de modo que não ocorram prejuízos.

Use do bom senso e da criatividade para elaborar o seu crowdfunding. Planeje recompensas interessantes, atrativas e justas. Afinal de contas, não é prudente fazer com que seus apoiadores tenha a sensação de que estão jogando dinheiro fora. 

Qual a melhor plataforma de crowdfunding?

Depende muito do seu projeto. Também é importante você saber que há dois tipos de campanha:

  1. “tudo ou nada” -> você recebe o valor arrecadado apenas se atingir a meta estipulada
  2.  “flexível” -> você recebe o valor arrecadado, mesmo se não atingir a meta. 

No caso de financiamentos coletivos relacionados à música, pense nas seguintes plataformas:

Kickante: um dos maiores sites de crowdfunding do Brasil. Aceita os dois tipos de campanha. Pelo modelo “tudo ou nada”, a plataforma fica com 12% do valor arrecadado. No outro modelo, o Kickante abocanha uma fatia de 17,5%.

Essa plataforma permite doações vindas de outras países, via PayPal.

Catarse: também trabalha com os dois tipos de campanha. A taxa dessa plataforma, para ambos modelos, é de 13%.

Evoé: também oferece os dois tipos de campanha. A taxa desta plataforma mineira, no entanto, é de 12%.

Chico e o Mar lança crowdfunding para gravar disco de estreia

Diretamente de BH, Chico e o Mar é a banda autoral mais interessante da cena indie-alternative-pop na novíssima música brasileira. Na estrada desde meados de 2018,  o quinteto faz um som que alinha sonoridades inovadoras com conceitos estéticos e visuais bem elaborados.

Depois de lançar cinco singles, ao longo dos últimos dois anos, os rapazes entenderam que chegou a hora de partir para o tão sonhado disco de estreia. Ciente de que um disco bem produzido está fora de seus orçamentos, os membros da banda decidiram partir para o  crowdfunding. 

Imagemd e divulgação do crowdfunding do primeiro disco da banda mineira Chico e o Mar

Chico e o Mar lança crowdfunding para gravar primeiro disco (Imagem/Divulgação)

Apesar de contar com o apoio de uma sólida base de fãs, os caras sabem que a campanha de financiamento coletivo é um desafio. Porém, eles são inovadores, batalhadores e corajosos o suficiente para encarar a parada. 

O vocalista e guitarrista Daniel Moreira topou conversar com a gente e abriu o jogo sobre o crowdfunding promovido pela banda Chico e o Mar. Se liga só no papo reto.

Blog Palco MP3: Como pintou a ideia de fazer um crowdfunding para gravar o disco de estreia?

Daniel Moreira: Desde quando começamos, nunca tivemos grana o suficiente pra fazer as nossas gravações. Quando lançamos as duas primeiras músicas, conseguimos emplacar um bom número nos streamings e também começamos a fazer bastante shows, o que ajudou a ponto de conseguirmos pagar (com muito custo) os singles seguintes. Nos organizamos no início de 2020 para gravar um disco, escrevemos todas as músicas, marcamos shows e a pandemia chegou, impossibilitando tudo de acontecer do jeito que já estava planejado. O crowdfunding foi a ideia “perfeita” pro momento e, agora, o nosso primeiro álbum virou algo muito maior, e o mais legal: com várias outras pessoas fazendo parte dele!

Blog Palco MP3: Qual plataforma vocês escolheram e qual foram os critérios da escolha?

Daniel Moreira: Para esse disco, queríamos exaltar bastante a cena mineira não só musical, como de todos os lados. Escolhemos a evoé por serem de BH e por também prestarem um ótimo trabalho. Recebi algumas indicações de plataformas e eles chamaram bastante atenção por serem nossos conterrâneos. Fomos super bem acolhidos pela galera de lá, que se mostraram extremamente abertos para conversas, dúvidas, reuniões… acho que o critério se baseou basicamente nisso, procurar trabalhar com pessoas de MG e pessoas que acabam fazendo parte disso tudo junto com a gente. 

Membros da banda CHico e O Mar posam a favor da luz do sol

Daniel Moreira (ao centro) revela que a banda teve consciência definir cotas e recompensas da campanha (Foto/Divulgação)

Blog Palco MP3: Fale um pouco sobre a campanha! Quanto pretendem arrecadar e quais trampos serão feitos com o investimento?

Daniel Moreira: Estamos fazendo um financiamento coletivo para pagar o nosso primeiro álbum! Nos quase dois anos de existência da Chico e o Mar sempre pensamos em gravar algo sólido e o plano principal para 2020 era transformar isso em realidade. Para conseguirmos arcar com todos os custos de gravações, custos de produção das recompensas e identidade visual do trabalho, vamos precisar de R$ 12 mil. Pensamos muito em tentar cobrar o menor valor possível por sabermos da situação atual do mundo, que não está fácil pra ninguém. Esse valor não paga conteúdo audiovisual, impulsionamento de redes sociais… nada mais. É literalmente pra gente sair no zero a zero e conseguirmos entregar um disco muito massa pra galera. 

Blog Palco MP3: Quis as datas de início e fim da campanha e quais os valores das cotas?

Daniel Moreira: A campanha começa no dia 7 de agosto e vai até o dia 30 de setembro, com uma duração de quase dois meses. Pensamos nesse período para que mais gente pudesse chegar e também para não ser muito longa. A ideia é que com a campanha também possamos chegar a novos ouvidos. Os valores vão de R$ 20 a R$ 600, com diversas recompensas bem legais.

Membros da banda Chico e o Mar

Chico e o Mar, banda autoral expoente da nova cena autoral de BH (Foto/Divulgação)

Blog Palco MP3: E as recompensas? Quem colaborar, vai ser recompensado de que maneira?

Daniel Moreira: As pessoas que contribuírem com R$ 20 vão receber o disco antes de sair pras plataformas de streaming. A partir de R$ 60 temos as nossas camisetas, camisas longas, ecobags, canecas, meias, adesivos, e por aí vai! Temos alguns kits um pouco mais caros com algumas combinações das recompensas, e inclusive temos um com uma caixa de uma bebida daqui de BH, a Xeque Mate, que está apoiando a gente nesse projeto. 

Blog Palco MP3: Quem quiser colaborar precisa acessar qual link?

Daniel Moreira: Para acessar o nosso financiamento coletivo é só acessar www.evoe.cc/chicoeomar. E para participar é só escolher uma das recompensas que mais combinam com você e com o seu bolso. É muito importante lembrar que as pessoas não só vão ajudar financeiramente, como também vão ajudar a gente a escrever um capítulo novo na nossa história!

Viu só como não é impossível colocar um crowdfunding no ar? É preciso atenção, esforço, foco e dedicação, alguns dos fundamentos necessários para qualquer aspecto da carreira artística. Se você tem um projeto engavetado, não perca tempo! Coloque esse bloco na rua, pois, quem tem um sonho, não dança!