Na imagem abaixo, extraída do site do Ecad, nós temos o top 10 do ranking de compositores com maior rendimento no segmento rádio. Por mais que seja de 2016, a lista é a mais atualizada divulgada no site do órgão que monitora as execuções públicas de música no Brasil.

Ranking mais recente divulgado pelo Ecad (Imagem/Site do Ecad)

Conforme a lista do Ecad, algumas figuras relativamente anônimas aprecem ao lado de grandes estrelas da música. Esses caras são compositores, um dos principais personagens de uma carreira artística! Pensando nessa imensa importância, nós preparamos para você o perfil de 3 dos principais fazedores de hits da atual safra da música brasileira. Confira abaixo:

1. Bruno Calimam – “O cientista maluco”

Bruno começou a compor em 1994, depois que entrou para a banda Panela Puc. O som era na pegada do besteirol, no melhor estilo Mamonas Assassinas. A banda durou até meados de 1998, mas ele seguiu tocando no formato voz/violão e trabalhando com jingles publicitários.

Bruno Calimam é um dos grandes compositores da música brasileira popular (Foto/Facebook)

Como compositor, ele se considera um “cientista maluco, onde seu quarto é o seu laboratório, onde ele mistura as coisas pra ver se explode”. Em conversa recente com o G1, Calimam revelou um dos segredos de seu estilo de composição:

“Chegamos no coração das pessoas quando distorcemos um pouco a realidade, para mais ou menos. Esse jogo de colocar uma lupa no sentimento é o segredinho do autor”

Alguns dos vários hits: “Campeão de Audiência” e “Contrato”, gravada por Jorge e Mateus; “Sogrão Caprichou”, “Te Esperando” e “2050”, sucessos na voz de Luan Santana; “Beber Cair e Levantar”, um hit gravado pro vários artistas; “Domingo de Manhã”, principal música da dupla Marcos e Belutti; “Locutor” e “24 Horas”, hits do cantor Léo Magalhães; e “Amuleto”, gravada por Tiê.

2. Thallys Pacheco – O mineirinho audacioso

Natural de Divinópolis, a principal cidade do Centro-Oeste de Minas Gerais, Pacheco começou compondo para artistas da região. Com o tempo, a confiança nas composições foi aumentando e ele decidiu que precisava encarar o desafio das mudanças. Como? Simples: foi de “mala e cuia” para Goiânia, a capital nacional do sertanejo.

Pacheco também investe em seu lado de intérprete (Foto/Divulgação)

Em entrevista ao UOL, Pacheco revelou que a “criatividade é um dom divino, mas também fruto de muita tentativa e erro”. Segundo ele, a estratégia usada para ser reconhecido no meio foi escrever muitas variações do mesmo e sempre ter uma composição inédita guardada para oferecer.

“Eu mostrava minhas músicas para os produtores e eles diziam: ‘você tem outra aí sobre outro assunto?’, e eu sempre tinha”

Alguns dos vários hits: “Gaguinho”, da dupla Hugo e Thiago; “Se Beber Curasse”, música que abriu as portas para Cristiano Araújo; “Esse Copo Aqui”, enorme sucesso na voz de Gusttavo Lima; “Maior Que o Oceano”, single gravado por Thiago Brava; O Nosso Santo Bateu, faixa divisora de águas na carreira de Matheus & Kauan; “Sosseguei”, “Antônimos”, “Paredes”, “Depois do Jantar” e “Cenário ideal”, sucessos inquestionáveis de Jorge e Mateus.

3. Umberto Tavares – “O CARA” do pop

Na atual safra da música nacional, poucos compositores são tão versáteis quanto o carioca Umberto Tavares. Com 39 anos de idade e uma larga experiência no mercado, Tavares começou como backing vocal do pagodeiro Belo. Também é dele a voz do “Ken” na música “Sou a Barbie Girl”, sucesso da carreira de Kelly Key. Apesar do passado artístico, em conversa com o portal UAI, ele revelou que prefere manter a discrição:

“Por essência, a função do compositor já é de bastidor. O intérprete leva todo o mérito. Mas não vejo isso como um problema. Quem tem que fazer sucesso é a música, não eu”

Além de compor, Umberto também atua como produtor musical. Ele é um dos um dos pilares da produtora U.M. Music, um dos mais estruturados celeiros de produção musical no Brasil. Com uma visão focada no artista, o trabalho coordenado por Tavares tem o objetivo de “criar conteúdo de qualidade se utilizando de recursos próprios”.

Umberto Tavares prefere o anonimato (Foto/Facebook)

Alguns dos vários hits: “Show das Poderosas”, “Zen”, “Blá Blá Blá”, “Bang”, “Sim ou Não”, e “Paradinha”, hits de Anitta; “Você Partiu Meu Coração”, um dos sucessos de Nego do Borel; “Na Veia” e “Amor de Chocolate”, singles que colocaram Naldo Benny em evidência; Hoje, canção emblemática da carreira de Ludmilla; Sua Cara, música que internacionalizou Pabllo Vittar e Anitta; e “Bailando”, single que marca a vota do grupo Rouge.

Se você gosta de compor, não se intimide! Tenha as histórias acima como inspiração e se jogue de cabeça no universo das composições musicais!