Seguir carreira como artista independente é incrível, fato, mas isso não quer dizer que seja menos desgastante e/ou cansativo. Das críticas destrutivas à sobrecarga de trabalho, precisamos falar sobre saúde mental no meio artístico. Ainda mais porque, segundo pesquisas, cerca de 66% dos DJs, por exemplo, já sofreram burnout.

Junte a isso a ansiedade, a depressão e a síndrome do impostor, que são marcas da nossa sociedade atual. Estamos mais doentes e exaustos mentalmente, o que torna ainda mais importante conversarmos a respeito. Tanto para entendermos o que está acontecendo, como para sabermos quando pedir ajudar.

Quais são as principais questões mentais que afetam artistas?

Para a construção deste artigo, focaremos nas quatro síndromes mais comuns no mercado de trabalho: burnout, ansiedade, depressão e síndrome do impostor. Por mais que existam outras, iniciaremos a conversa por elas, que costumam ser as mais recorrentes.

O que é burnout?

A princípio, burnout é o esgotamento profissional. Isto é, é um distúrbio emocional caracterizado pelo cansaço extremo, que se manifesta ora fisicamente, ora mentalmente. No início de 2022, ele entrou para a lista de doenças do trabalho – doenças ocupacionais – da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Logo, para quem trabalha no meio artístico, infelizmente, é mais comum do que parece. É tanta cobrança, pressão e necessidade de dar certo que, muitas vezes, extrapolamos os limites. Fora que não é fácil viver de arte no Brasil. Inegavelmente, a desvalorização é uma das principais culpadas do cenário atual.

E quando falamos da desvalorização, vai desde a financeira, que é importante para ter qualidade de vida, à moral.

Quais são os sintomas do Burnout?

  • Falta de motivação;
  • Cansaço físico e mental;
  • Irritabilidade e agressividade;
  • Dificuldade de concentração;
  • Isolamento;
  • Ansiedade;
  • Depressão, entre outros sintomas.

Caso você sinta qualquer um desses sintomas com constância, procure ajuda. É “normal” se sentir cansado. No entanto, existe um limite até onde pode ir. Então, quando não tratado, o burnout pode evoluir, trazendo riscos para a vida.

O que é a ansiedade?

Quando falamos de saúde mental no meio artístico, a ansiedade é, talvez, uma das síndromes mais recorrentes. O medo de não dar certo ou, até mesmo, o medo do futuro são mais comuns do que deveriam ser. Em síntese, a ansiedade é caracterizada por um conjunto de preocupações constantes e excessivas sobre a realidade.

A situação ainda nem ocorreu, mas a pessoa ansiosa já está sofrendo de antemão. Novamente, no universo dos músicos independentes, é bem comum. Não só por termos sido desacreditados em algum momento, como também pelos riscos da profissão. Isso porque, por mais corajoso e admirável que possa ser começar sozinho, é igualmente aterrorizante.

Quais são os sintomas da ansiedade?

A ansiedade tem diferentes níveis. Nesse sentido, existe a ansiedade que faz parte da nossa vida. Ela costuma acontecer ao enfrentarmos situações novas e que fogem do nosso controle. Existe a ansiedade mais grave, que é quando acomete o nosso bem-estar. Nela, crise de ansiedade e ataques de pânico podem se tornar comuns.

Por fim, existe a ansiedade crônica, que é um transtorno. Alguns sintomas recorrentes em todos os três tipos são:

  • preocupação excessiva;
  • medo irracional;
  • tensão muscular;
  • problemas digestivos;
  • crise de pânico e/ou de ansiedade;
  • comportamento compulsivo;
  • insegurança, entre outros.

O que é a depressão?

A depressão é, provavelmente, a síndrome mais conhecida da nossa lista, sendo um dos distúrbios afetivos mais comuns da nossa sociedade. Resumidamente, é caracterizada pela tristeza recorrente, associada às variações de humor. Desse modo, é quando nos sentimos tristes por um período de tempo maior – duas semanas já são suficientes.

Então, por mais que ela seja tão popular, ainda existe muito preconceito. Pessoas confundem a doença com fraqueza, quando, na verdade, é de muita coragem ser vulnerável e enfrentar a depressão.

Quais são os sintomas da depressão?

  • Falta de motivação;
  • Cansaço extremo;
  • Insegurança;
  • Sensação de vazio;
  • Angústia constante;
  • Falta de sensação de sentido na vida, entre outros sintomas.

Estima-se que cerca de 350 milhões de pessoas ao redor do mundo sejam atingidas por diferentes tipos de depressão. Tanto que a doença é tida como o mal do século XXI. Na pandemia, a situação se tornou ainda mais delicada. Muitos de nós perderam os seus empregos e os seus propósitos por causa do vírus.

Do mesmo modo que outras síndromes, caso perceba qualquer irregularidade, procure ajuda. A depressão traz riscos para a vida e precisa ser tratada.

O que é a Síndrome do Impostor?

“Eu não tenho talento o suficiente para estar aqui”. “Quando será que alguém vai perceber que eu não sou bom o bastante para abrir esse show?”. Se você se reconhece em alguma dessas falas/pensamentos, já foi vítima da síndrome do impostor ao menos uma vez. Em resumo, ela é caracterizada pela sensação de não pertencimento e/ou fraude.

É quando achamos que não merecemos nem somos dignos de estar onde estamos. Segundo um estudo feito em 1978 por pesquisadoras norte-americanas, a síndrome do impostor é ainda mais comum em mulheres bem-sucedidas. Afinal, a sociedade e a cultura nos fazem acreditar que não somos capazes de estar onde estamos.

Por mais simples que possa parecer, o quadro é responsável por aumentar os casos de ansiedade, depressão, entre outras doenças mentais.

Quais são os sintomas da síndrome do impostor?

  • Perfeccionismo exagerado;
  • Sensação de não pertencimento;
  • Sentimento de não ser bom o bastante;
  • Insegurança ao ser avaliado;
  • Excesso de comparação com os outros, entre outros problemas.

Saúde mental no meio artístico é um assunto sério. Todos nós estamos suscetíveis a ter qualquer um desses distúrbios, entre outros que não citamos. Em todos eles, é fundamental procurar ajuda antes que coloque a sua carreira e a sua vida em risco.

Compartilhe este conteúdo nas redes sociais

Novamente, reforçamos sobre a importância de falar sobre saúde mental no meio artístico. Para os artistas independentes, é tanta cobrança e necessidade de dar certo que colocamos o nosso bem-estar em risco. Desse modo, quando conhecemos mais das síndromes, nos tornamos conscientes sobre a nossa situação e se torna mais fácil pedir ajuda.

Burnout, Ansiedade, Depressão e Síndrome do Impostor. Infelizmente, os quatro quadros são mais comuns do que parece. Caso perceba qualquer um dos sintomas, procure um especialista.

Queríamos pedir para você um favor. Compartilhe este conteúdo nas suas redes sociais! É uma das melhores formas de trazermos visibilidade sobre o tema e mostrarmos a necessidade de falar sobre.