Nativa do cerrado mato-grossense, Karola Nunes é uma artista completa. Além de cantar, compor e tocar, ela é educadora e sonoplasta. Com tanto talento exalando pelos poros, Karol semeia seu terreno musical em diversas paisagens sonoras da novíssima música brasileira.

Depois de lançar dois EPs e um single, Karola Nunes acaba de lançar seu aguardado disco de estreia. Batizado Somos Som, o trabalho revela o evolvimento pessoal da cantora com sua música, contendo desde suas primeira composições. Com a produção musical de Gustavo Ruiz, o disco provoca curiosidade ao somar uma nostalgia regionalista da cantora aos arranjos mais experimentais e dançantes do produtor.

Novo disco de Karola Nunes

Clique na imagem e ouça o novo disco de Karola Nunes (Divulgação)

O disco começa com uma releitura para Já É, uma canção de letra instigante, arranjo contagiante e uma interpretação que ilustra o domínio de voz que Karola possui. Dica: experimente ouvir os versos “Vai ser bem diferente do que rola aí/Vontade dá na gente/Eu não saio daqui/Tem tanto pico louco” sem ser arrebatado pela maneira como a artista encaixa as palavras na voz. Por sua vez, a faixa que que dá nome ao álbum ecoa como um mantra, exaltando a relação da cantora com a música, com um toque de regionalismo de Mato Grosso, pelas cordas da viola de cocho e a percussão do ganzá e mocho.

Karola Nunes é adepta de vários estilos de música

Karola Nunes, uma joia da novíssima música brasileira (Foto/Fred Gustavos)

Guiada pelas boas vibrações e pelo discurso de conscientização do reggae, a artista gravou as faixas Mãe Gaia, uma verdadeira ode à vida, e Chorar – que traz as participações especiais da rapper Pacha Ana (MT) e de Curumin (SP) – um mantra sobre resiliência. Outro grande momento do disco é a repaginada sonora presente na faixa C’est La Vie, originalmente lançada no EP Já É (2018). Nesta regravação, a canção está menos dançante e com uma interpretação que faz da letra uma espécie de oração.

Karola Nunes é sopro de criatividade na nova MPB

Nas ondas de Karola Nunes, todos “somos som” (Foto/Fred Gustavos)

Por fim, mas não menos importante: o disco Somos Som é um verdadeiro festival para os sentidos. Com bastante sagacidade e produção impecável, Karola Nunes mostra a versatilidade de uma artista que não pode ser limitada em um único estilo.

Os arranjos são bem arquitetados e emolduram letras envolventes, dessas que dão voz aos anseios e sentimentos de quem não está no mundo a passeio. Por essas e outras, entendemos que estamos de olhos e ouvidos em uma artista da música brasileira popular!

A novíssima música brasileira agradece por ter em seu cancioneiro uma obra que faz a conexão entre música e alma…

Dê o play e confira os bastidores da gravação do disco: