Sempre que o ano começa, surgem as mais variadas listas falando sobre o que podemos esperar. Uma das nossas favoritas são as tendências musicais de 2022. Mais do que falar de estilos musicais e desse universo que amamos tanto, elas nos contam histórias sobre os hábitos de consumo.

Seja por causa da pandemia, seja, até mesmo, pelo TikTok, os nossos gostos estão em constante evolução. E essas listas são as melhores mostras disso. Pensando nisso, preparamos, também, o nosso conteúdo com as nossas apostas de tendências musicais de 2022. Esperamos que você goste e que faça sentido o que elencamos!

Conheça as tendências musicais de 2022

Quando falamos de tendências musicais de 2022, existem muitas apostas. Para a construção do nosso texto, prezamos pelas principais pesquisas sobre o tema. Logo, os palpites que vamos apresentar não foram criados pelo Palco. É uma curadoria feita pela gente embasado no palpite de nomes que são referência na área. Confira a seguir!

Uso de NFTs na música

Em conjunto com o metaverso, as NFTs deram o que falar em 2021. Elas já são, inclusive, tidas pelos executivos da Billboard como uma das tendências musicais de 2022. Para quem ainda não entendeu bem o conceito, as NFTs nada mais são do que tokens não fungíveis. Isto é, bens digitais, como vídeos, GIFs etc.

O seu grande valor está em criar uma assinatura digital em algo. Logo, serve como um direito autoral, que pode ser colecionado e comercializado por aí como uma moeda não fungível. No universo da música, permite ter acesso a materiais raros e/ou desenvolvidos para serem vendidos assim.

Lançamento de músicas associadas ao audiovisual

Enquanto no passado, as trilhas surgiam para compor a estética de uma produção visual, hoje, o movimento contrário acontece. Em outras palavras, uma produção audiovisual é criada para deixar a experiência de ouvir uma música ainda mais completa. Os próprios videoclipes são um exemplo disso.

Ainda mais se considerarmos a evolução do formato ao longo dos anos. Nos mais variados setores e estilos musicais, a qualidade surpreende. Quando falamos de inovação com audiovisual, um dos nossos favoritos é a música “Warriors”, do Imagine Dragons. É uma trilha para game, criada, exclusivamente, para um campeonato de eSports e que tem um storytelling incrível.

Depois desse lançamento, a parceria se consolidou e atingiu outros patamares. Em 2021, por exemplo, a série Arcane foi uma das mais assistidas – se não a mais – da Netflix. Novamente, Imagine Dragons compunha a produção, criando cenas inesquecíveis e ainda mais emocionantes.

Músicas curtas inspiradas no TikTok

Fale bem ou fale mal, é inegável que o TikTok lançou várias tendências. As músicas curtas e/ou com um refrão dançante que o digam. “Liberdade”, do Alok, é um desses casos. Com 2 minutos e 56 segundos, o refrão foi tocado (e dançado) nos mais variados ritmos. Do tecnobrega ao gospel, a trilha estourou.

Mas não pense que para por aí! A receita do TikTok viralizou. Já em 2021, víamos músicas curtas, com refrões logo no início e estrofes muito parecidas. Beggin’ de Mâneskin foi outra composição que surfou nessa onda e estourou em 2022. Neste contexto, é muito provável que o formato retorne agora.

Fortalecimento do R&B brasileiro

A história do R&B é um pouco delicada. Resumidamente, o estilo surgiu nos Estados Unidos com o nome de “Race Music”. Eram composições de origem afro-americana, que a forma com que eram tratadas refletia a segregação racial do país na época. Por isso houve a atualização do nome só para R&B, para romper com esse cenário.

Já no Brasil, o ritmo surgiu associado ao MPB e o rap melódico. Tim Maia e Sandra de Sá são alguns nomes de cantores que se apropriaram dele e criaram algo brasileiro a partir. Os anos passaram e o ritmo mudou mais um pouco. Hoje em dia, ele é a casa de vários artistas que são destaque na mídia. Como é o caso da promissora Marina Sena, Poesia Acústica, Gaab, entre outros cantores.

Consolidação do Pop Brasileiro

Inquestionavelmente, o melhor exemplo da consolidação do Pop Brasileiro é a música “Envolver”, da Anitta, no top 1 dos streamings. O acontecimento não só foi um marco para a carreira da cantora, como para a história brasileira. Ainda mais se considerarmos que o ritmo embora incrível, seguia sem o reconhecimento merecido.

Além da Anitta, outros nomes também são responsáveis por essa mudança de valores e valorização do estilo. Cantoras como Luíza Sonza e a promissora Olívia Rodrigo.

Anitta e Ayoub no clipe “Envolver” (Foto: Reprodução/Instagram)

Valorização de artistas multilíngues

Mesmo quem não gosta de K-Pop, provavelmente, já ouviu falar de BTS. A boy band sul-coreana conquistou o Brasil e o mundo nos últimos anos. Eles, inclusive, entraram para o Top 5 do Viberate em quase todos os canais. Isso sem falar nos mais de 15 bilhões de visualizações somente no YouTube.

Com o sucesso do grupo, outros artistas multilíngues também estão se tornando populares. A própria Anitta, citada acima, é outro exemplo disso. No Festival Lollapalooza 2022 ela deu o que falar cantando “Boys Don’t Cry” com a cantora Miley Cyrus.

Retorno das lives em novos formatos

É claro que as lives não poderiam ficar de fora das nossas tendências musicais de 2022. Ainda mais porque, durante o início da pandemia, foram elas as responsáveis por fazer com que vários artistas pudessem continuar. De grandes a pequenos nomes do mercado, as transmissões foram essenciais.

Para 2022, prevê-se o retorno delas, mas em outros formatos. Ora em um sentido de menor tamanho, ora de novos cenários. Como exemplo do segundo caso, os shows no metaverso de Fortnite. Eles chamaram a atenção até de quem não gostava de jogos eletrônicos.

Em síntese, ao longo deste artigo, apresentamos as 7 principais tendências musicais de 2022. Do uso de NFTs nas músicas à valorização de artistas multilinguísticos, esperamos que nossa seleção tenha feito sentido para você.

E aí, o que achou das nossas apostas? Compartilhe nas suas redes sociais e escute as nossas playlists exclusivas!